• Brasil 4.0

Investimento em inovação será imprescindível para enfrentar futuras pandemias

Em debate online promovido pela MEI, representantes de instituições de pesquisa da Suíça, da Finlândia e do Brasil afirmaram que o mundo deve se preparar para novas crises médicas, climáticas, de energia e ataques cibernéticos

A inovação e a pesquisa serão essenciais para responder às necessidades do futuro

O mundo nem venceu a pandemia de Covid-19 e especialistas já afirmam que uma nova epidemia de proporções globais virá entre cinco a dez anos. Por isso, o investimento robusto e permanente em inovação nos próximos anos será fundamental para que a sociedade esteja mais preparada da próxima vez que uma crise surgir. A avaliação foi feita por participantes de debate online promovido pela Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), realizado nesta quarta-feira (8) no Youtube e no LinkedIn da Confederação Nacional da Indústria (CNI).


A avaliação do diretor de Aceleração e Tecnologia da Organização Europeia de Pesquisa Nuclear (Cern), da Suíça, Frederick Bordry, é que a sociedade deve estar preparada, por meio da pesquisa e inovação, para outras crises fora da área médica que também devem acontecer.


“Nós não sabemos qual será a próxima crise. Pode ser uma nova pandemia, uma nova crise sanitária, mas pode ser também uma crise climática, energética ou um ciber ataque. Por isso é tão importante investir em ciência”, afirmou Bordry.



O diretor-científico da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), Luiz Eugênio Mello, reforçou que, por isso, o investimento em inovação deve ser permanente. “Quando consideramos investimento, não é algo para amanhã, é para o longo prazo. Precisamos ser relevantes amanhã, mas definitivamente também precisamos ser relevantes no longo prazo. É algo que precisa ser feito além do imediato, da necessidade visível”, sintetizou ele, que mediou a live Por que o investimento em inovação é imprescindível no pós-crise.


Educação flexível é a chave para enfrentar novas crises


O investimento em pesquisa, seja básica ou aplicada, e em educação será ainda mais importante para preparar a humanidade para enfrentar com os desafios que virão, complementou o diretor-geral do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), Antônio José Roque.


“Educação é a palavra-chave. Nós vemos que precisamos ter pessoas preparadas para as novas tecnologias que estão surgindo cada vez mais rapidamente. Precisamos preparar nosso pessoal para ser capaz de aprender e adaptar-se tão rápido quanto a nova tecnologia aparece”, defendeu. O aprendizado remoto, difundido durante a atual pandemia, afirmou Roque, é um dos caminhos para reforçar essa educação.


O treinamento dos jovens pesquisadores, cientistas e empreendedores deve ser flexível a fim que eles sejam capazes de lidar com qualquer tipo de crise que surgir, afirmou Frederick Bordry. Na sua opinião, a pandemia de Covid-19 mostrou que o mundo está fortemente interconectado, o que torna qualquer problema surgido em uma região do planeta um desafio de todos.


“É importante que haja flexibilidade no treinamento dos jovens para endereçar qualquer crise que venha a ocorrer. Estamos em um mundo, e podemos ver isso na pandemia, em que uma crise que começa em qualquer canto do planeta espalha-se para todos os lugares. Estou convencido de que qualquer crise climática, energética, ciber ataque será global. Temos de estar preparados cada vez mais para fazer pesquisa globalmente”, defendeu o diretor da instituição suíça.


A inovação e a pesquisa também serão essenciais para responder às necessidades da economia do futuro, defenderam ainda os debatedores. Na visão do vice-presidente do Centro de Pesquisa Técnica (VTT) da Finlândia, Jussi Manninem, soluções voltadas à economia de baixo carbono e eficiência de recursos devem estar na mira dos institutos de ciência e tecnologia, da universidade e das empresas.


“Temos de começar a olhar, do ponto de vista do desafio, em soluções ‘low carbon’, em eficiência de recursos. A tendência é que não seja apenas uma questão tecnológica, mas que se conjugue com problemas da sociedade, com políticas públicas. Temos de olhar mais na direção da interação da ciência e tecnologia com políticas públicas”, defendeu Manninem.


Os representantes dos ICTs apresentaram ainda os esforços feitos para ajudar seus países a enfrentar a pandemia de Covid-19, como as pesquisas desenvolvidas na Finlândia em busca de uma vacina contra o novo coronavírus e pelo CNPEM, no Brasil, de um medicamento para tramento dos doentes.


Estudo do CNPEM identificou, nos testes in vitro, medicamento que demostrou ter 93,4% de eficácia em combater a infecção causada pelo Sars-Cov-2. Segundo o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações, serão testados cerca de 500 pacientes em cinco hospitais militares no Rio de Janeiro, um em São Paulo e outro em Brasília para confirmar o efeito benéfico da droga.


Por: Helayne Boaventura

Fonte: Agência CNI de Notícias

36 visualizações
banner-siemens-plm-160x600-pt.jpg
Assine nossa newsletter!
  • Ícone cinza LinkedIn
  • Grey Facebook Ícone

© 2019 - Brasil 4.0 - www.br40.com.br

Fale conosco - contato@br40.com.br