top of page
  • Foto do escritorBR40

A multimodalidade como impulso para a eficiência logística no Brasil

Até mesmo em função das dimensões continentais do Brasil, as possibilidades de meios de transporte são amplas. Historicamente, o País pendeu pelo foco no rodoviário, mas o ferroviário, o hidroviário e o marítimo também se apresentam como opções disponíveis. Essa multimodalidade pode, e deve, ser melhor aproveitada. Estamos desperdiçando essa chance, mas é hora de correr para recuperar o tempo perdido.


logística

A multimodalidade viabiliza, assim, duas vertentes de logística: a multimodal propriamente dita e a intermodal. Os termos têm significados parecidos, por vezes até são tratados como sinônimos, no entanto, em suas aplicabilidades práticas, há uma diferença substancial para distinguir uma de outra: a gestão desde o ponto de partida até o local exato de entrega da carga.


Tanto na logística multimodal como na intermodal, diversos meios são utilizados no trajeto. Por exemplo, uma carga ir de trem até um terminal portuário, de lá ser transportada por cabotagem até outro porto do país e, do cais até seu destino final, ser entregue por caminhão.


No entanto, na logística multimodal apenas um operador – o Operador de Transporte Multimodal – é o responsável por todo o processo. Apenas um conhecimento de carga, isto é, único documento de expedição cobre todo o processo, inclusive em casos quando, entre um embarque e outro no meio do caminho, a carga precisa ficar armazenada em algum depósito, por exemplo.


Na logística intermodal, por sua vez, a convergência de modais é a mesma, porém o conhecimento de carga, ou seja, a documentação referente ao processo não é única. Para cada transporte, uma documentação específica é expedida. A responsabilidade pela carga é dividida entre os diferentes elos nessa cadeia de transporte.


Ora, como visto, a necessidade de uma gestão eficiente da operação se sobressai em qualquer uma das vertentes. O controle da documentação e, isso significa dizer, o controle da carga e de todos os fluxos de seu transporte, tudo isso requer critério, precisão. Está nesse ponto um dos gargalos da logística brasileira: em regra, esse fluxo ainda é administrado mediante planilhas, de forma manual e até analógica.


siemens

Perde-se tempo, portanto perde-se em produtividade. Informações e Dados preciosos para a tomada de decisões, desde as estratégicas até as pontuais, emergenciais, escapam, porque é humanamente impossível fazer em pranchetas ou programas simples de computador o controle de cadeia tão complexa como é a logística. Isso não precisa mais ser assim, nem pode.


Temos a tecnologia como aliada. Robotização, automação e inteligência artificial estão aí para serem utilizadas na gestão da carga, da frota, dos motoristas, do trajeto. Desde o embarque inicial à entrega em seu destino último, passando por todas as integrações multi ou inter modais – quando estas se aplicam (e, como dissemos, dadas as dimensões continentais do Brasil, cada vez mais a convergência de meios de transporte se faz necessária).


Sem tempo a perder, devemos digitalizar os processos logísticos, ou seja, dotar o Brasil de uma logística 4.0. Aqui na CargOn daremos a nossa contribuição. Desenvolvemos soluções tecnológicas, já adotadas por empresas de vários portes de atividades econômicas como indústria, varejo e agronegócio, na gestão do transporte de seus valiosos bens – o fruto de seus processos produtivos.


Logística 4.0 é ganho direto para o setor produtivo e para a sociedade de um modo geral. Otimizar operações é diminuir despesas e cortar desperdícios – é, então, diminuir o Custo Brasil. É reduzir consumo de combustível, de pneus – é, assim, reduzir emissão de fumaça, queima de borracha. E a multimodalidade na logística é estratégica para a implementação de fluxos de transporte de cargas mais racionais e sustentáveis.


Por Denny Mews, fundador e CEO da CargOn.

Fonte e imagem: InforChannel


siemens

Comments


160x600 whitepaper siemens.jpg
bottom of page