top of page
  • Foto do escritorBR40

Brasil: o celeiro da nova economia digital

Observando o cenário atual de reaquecimento contínuo da economia global, o Brasil é visto internacionalmente como um terreno fértil


Observando o cenário atual de reaquecimento contínuo da economia global, o Brasil é visto internacionalmente como um terreno fértil e em processo de transformação acelerada para se tornar um dos maiores hubs de inovações tecnológicas e financeiras do mundo. Esse aspecto nacional, com foco nos modelos da nova economia digital, já é observado em diferentes instâncias.


Um recente estudo apresentado pela Gemini, corretora dos gêmeos Winklevoss, cofundadores do Facebook, mostrou que 66% dos brasileiros entrevistados veem as criptomoedas como “o futuro do dinheiro”. Dos 1.700 participantes da pesquisa, 41% já possuem moedas digitais. Fato comprovado pelo relatório apresentado nos últimos dias pela Chainalysis, que coloca o Brasil na 7ª posição entre os países que mais adotam o uso desses ativos mundialmente. Ou seja, os brasileiros demonstram estar dispostos a ir cada vez mais fundo no mundo dos criptoativos.


Em consequência, empresas nacionais e estrangeiras que por aqui aportam diariamente correm para adotar tecnologias que permitam novas possibilidades de negócios no segmento. Um bom exemplo disso é o sistema de adesão que tem sido adotado por investidores institucionais, impulsionado desde abril de 2021, por meio do lançamento da primeira ETF (Exchange Traded Funds) – fundos de índices com cotas negociadas na bolsa de cripto – na B3. A partir daí, diferentes fundos multimercado e até mesmo de clientes de instituições financeiras privadas começaram a investir em criptos por meio dessas ETFs, um movimento importante para estimular novas iniciativas.



Outro exemplo prático de que os brasileiros estão abertos às novas tecnologias está na adoção e rápida popularização do Pix, sistema de pagamentos e transferências instantâneas criado pelo Banco Central há dois anos. Segundo estatísticas da instituição o número de chaves Pix ativas ultrapassou a casa dos 478 milhões, em julho de 2022.


O número corresponde a mais que o dobro da população brasileira que está na casa dos 214 milhões de habitantes, de acordo com estimativas do IBGE. Em proveito dessa oportunidade, startups brasileiras de criptoativos focadas no desenvolvimento de produtos e serviços para os usuários finais já exploraram a tecnologia e sua larga utilização, com o desenvolvimento de aplicativos dedicados a operações de transferência em ativos digitais, que amplia consideravelmente sua base de usuários.


Além disso, o uso cada vez mais recorrente pelas empresas cripto brasileiras de tecnologias focadas no metaverso contribui para uma popularização ainda maior do segmento cripto no país. A criação e desenvolvimento de fan tokens e jogos em blockchains ganha cada vez mais terreno no país. Segundo a Decentral Games, o Brasil é o 7º país do mundo com o maior número de usuários em jogos NFT. Como parte da estratégia da Ripio de ampliação de mercado, lançamos recentemente na Argentina o Ripio Portal, primeira carteira Web3 da América Latina que permite aos usuários acessar todo seu ecossistema de criptomoedas, como tokens, moedas digitais, NFTs, DeFi, blockchain games e dApps. Em breve, este produto também estará disponível aos nossos clientes brasileiros.


Aspectos legislativos e educacionais


Em paralelo, o processo de regulamentação do mercado cripto no país está mais próximo de ocorrer. O PL 4401/2021 (Nº Anterior: PL 2303/2015) avança na Câmara dos Deputados e dentro de pouco tempo teremos um novo conjunto de regras que vão trazer mais segurança ao investidor e estimular mais oportunidades de negócios no setor.


Como grande protagonista da expansão do ecossistema cripto no Brasil temos, de fato, a alta capacidade criativa dos brasileiros, que permite gerar soluções e serviços com o intuito de atrair novos investidores e expandir ainda mais a utilização das criptomoedas e ativos digitais em diferentes segmentos de mercado. Levando em conta este contexto e aliado a iniciativa de inovação de trazer casos de uso para as criptomoedas, trouxemos ao mercado brasileiro o Ripio Card, um cartão pré-pago internacional que permite realizar compras em diversos estabelecimentos comerciais, consumindo diretamente o saldo em cripto ou em reais disponível na wallet da Ripio, sem necessidade de análise de crédito, sem taxas de aquisição e sem mensalidade. Outro diferencial em comparação a produtos similares no mercado é o retorno de cashback de 5% em BTC, sem exigir staking dos usuários.


Reforço que para dar continuidade a esse processo e aguçar ainda mais a mentes criativas dos brasileiros, o ponto-chave passa pela educação focada no ecossistema cripto. E isso já tem sido observado por meio de uma gama de cursos e tutoriais implementados por profissionais de renome no mercado encontrados facilmente nas redes sociais. No caso da Ripio, temos a Launchpad, plataforma com guias, análises técnicas, artigos e novidades sobre o segmento e o Cripto Morning, no canal do YouTube da BitcoinTrade, que traz especialistas para um bate-papo sobre os temas mais quentes no mercado. Isso porque acreditamos que por meio da educação é possível promover e disseminar informações que gerem conhecimento.



Hoje, temos ótimos motivos para aperfeiçoar nosso entendimento em relação ao mundo cripto e suas particularidades, além de conseguir visualizar a sua grande capacidade de vetor de transformação social. Afinal, os brasileiros também podem promover uma grande revolução econômica e financeira por meio do uso e aplicação dos ativos digitais em diferentes segmentos.


E o mote da Ripio “somos a porta de acesso ao mundo cripto” está ligado diretamente a esse ponto. Baseado em uma estratégia de Oceano Azul, cujo foco é promover a educação, inovação e oferecer às pessoas serviços e produtos diferenciados e com alto valor agregado. Tornar realidade tudo que realmente tenha um significado.


Por: Henrique Teixeira é Head Global de Novos Negócios da Ripio

Fonte e imagem: Startupi

Commentaires


160x600 whitepaper siemens.jpg
bottom of page