top of page
  • Foto do escritorBR40

Durante o mês da mobilidade, união do setor de eletrificados mostra resultado com recorde de vendas

Pesquisa aponta que os brasileiros manifestam maior interesse por carros elétricos, micromobilidade e tecnologia em níveis superiores ao de consumidores de outros países


O setor de mobilidade brasileira, de eletrificados e de micromobilidade vem mostrando eficiência em suas ações. Em setembro deste ano, por exemplo, em que se comemorou “o mês da mobilidade”, bem como, o Dia Mundial do Veículo Elétrico Compartilhado, o segmento de carros elétricos e híbridos foi o que teve o maior crescimento nas vendas no setor automotivo no mês passado. Houve alta de 19,3% em relação ao mesmo período do ano anterior, de acordo com a Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores).


Isso se deve a toda a mobilização realizada pelos setores, empresas e players que estão há anos inovando e buscando implementar novas formas de pensar a mobilidade em nosso país, com a realização de eventos e campanhas para debater e discutir as novidades, bem como, apresentação para a sociedade de quais os novos caminhos a serem trilhados. Além disso, também se deve ao crescente e eficiente trabalho realizado pelo setor tech da mobilidade, principalmente pelas startups, que a cada dia aumentam o alcance das inovações implementadas pelo mercado.


Brasileiros manifestam maior interesse pela Mobilidade Elétrica

Recentemente, a McKinsey & Company divulgou um levantamento que mostrou que os brasileiros manifestam maior interesse por carros elétricos, micromobilidade e tecnologia em níveis superiores ao de consumidores de outros países. Ela revelou que há um grande interesse por soluções como assinatura de veículos eletrificados e micromobilidade.


De acordo com pesquisa, 70% dos entrevistados consideram aderir a serviços de assinatura de veículos, principalmente, devido à possibilidade de explorar diferentes tipos de soluções de mobilidade (21%) e por conta de uma possível redução nos custos totais de propriedade (18%), uma vez que não seria necessário adquirir os veículos eletrificados, pagando apenas pelo seu uso.



Também vejo as parcerias das startups e players do setor como de grande importância para chamar a atenção dos responsáveis públicos para o assunto, assim como para a regulamentação do mercado de crédito de carbono, já que, segundo a Ecosystem Marketplace (EM), o valor das transações do mercado que não precisa de regulação, chegou próximo de US$ 2 bilhões em 2021, número quatro vezes maior que o registrado no ano anterior. E para a consultoria global McKinsey, o segmento pode chegar a US$ 50 bilhões em valor até 2030.


Dados como este destacam a importância dos debates sobre o tema e da criação de políticas para o fomento do segmento, principalmente referente a metas para serem alcançadas muito em breve, já que, apesar de o Brasil ser um país cheio de dores, quando falamos em novas formas de se locomover nas cidades, não estamos parados, o mercado está se conectando, criando soluções e abrindo muitas oportunidades para empreendedores e empresas trabalharem pelo mesmo propósito, com parcerias e tecnologias inovadoras.


Por: Guilherme Cavalcante é CEO e fundador do app UCorp. O executivo tornou-se especialista em desenvolver modelos de negócios e produtos digitais com foco em mobilidade. Guilherme é formado em Tecnologia e Mídias Digitais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC) e possui pós-graduações em Design de Projetos Especiais (BAU-Barcelona) e Inteligência de mercado (Universidade de São Paulo – USP).

Fonte e imagem: Startup



Comentarios


160x600 whitepaper siemens.jpg
bottom of page