• Brasil 4.0

Inovação e tecnologia para a indústria automobilística com DNA brasileiro

Aliança reúne grandes indústrias e o SENAI em busca de solução que torne veículos mais leves, sustentáveis e seguros


O aço é um dos materiais que compõe os nossos automóveis e desenvolver este material, apresentando uma combinação específica de propriedades mecânicas que o façam um produto de altíssimo nível tecnológico, contribuindo para a fabricação de veículos mais leves e seguros é um grande desafio que os pesquisadores do Centro de Inovação Tecnológica (CIT) SENAI, juntamente com a ArcelorMittal, a Stellantis e a CBMM, estão de dedicando. O tema foi debatido durante uma live, realizada dia 6/5, que apresentou o projeto “Aços de alta resistência e conformabilidade” e que permanece disponível no canal da FIEMG no Youtube. A iniciativa integra o programa Rota 2030, que faz parte de uma estratégia do governo federal com o intuito de promover o desenvolvimento do setor automotivo no país.


Após o desenvolvimento do produto pelos pesquisadores do Instituto SENAI de Inovação em Metalurgia e Ligas Especiais, a ArcelorMittal será a empresa que irá produzir esse aço e irá fornecer para as indústrias automotivas. A CBMM dará o suporte ao desenvolvimento, uma vez que produz e comercializa a matéria-prima para produção do aço. Já a Stellantis aplicará o aço em seus produtos e vai estabelecer os critérios de qualidade para esse aço.


De acordo com o vice-presidente da FIEMG, Teodomiro Dinis Camargos, é uma enorme satisfação para o SENAI estar presente nesta aliança que une três grandes indústrias brasileiras presentes em vários outros países, que buscam consolidar as melhores soluções para todo o setor. “Este é um projeto para a indústria nacional, estamos unidos à gigantes que pensam de forma a consolidar uma parceria que pode desenvolver soluções melhores. É uma alegria enorme ter a nossa equipe neste trabalho. É a realização do nosso objetivo, unir as partes para potencializar a indústria, pois acreditamos na força da cadeia produtiva”, afirmou Camargos.


A pesquisa faz parte do Programa A3 - Alavancagem de Alianças para o setor Automotivo, que conta com uma metodologia baseada em três pilares: Desenvolvimento de Competências, Aprender Fazendo e Prova de Conceitos para Produtividade. De acordo com Marcelo Fabrício Prim, do SENAI Nacional, o projeto contribuirá para tornar o padrão de consumo mais sustentável, por meio da tecnologia. “Criamos essa proposta sabendo das demandas reais da indústria, quando temos a cadeia em conjunto, a chance de sucesso é muito maior. Ficamos felizes em ver projetos bem elaborados, com impacto positivo e desdobramentos para outros segmentos industriais”.


Uma parceria que une a indústria de ponta a ponta


Charles de Abreu Martins, gerente Geral de Pesquisa e Desenvolvimento da ArcelorMittal, disse que a empresa acredita e investe nas parcerias com academia, fornecedores, clientes e institutos de tecnologia. “Temos trabalhado continuamente para criar soluções para antecipar as demandas da indústria automotiva, garantindo a competitividade dos nossos clientes e consequentemente a nossa também”. Ele lembrou ainda da parceria de sucesso com o SENAI, por meio do Centro de Inovação ArcelorMittal Indústria (CIAMI).


Com um diversificado portfólio, seis empresas de produção espalhadas pelo Brasil e Argentina e três escritórios na América do Sul, a Stellantis, antiga Fiat Chrysler Automobiles (FCA), se tornou a maior empresa da América Latina em produção de veículos. Celso Carvalho, supervisor de Projetos de Carrocerias Automotivas da Stellantis para a América do Sul, contou que a demanda por aço de alta resistência vem aumentando a cada ano, seja com foco na redução de peso ou da emissão de gases e com foco no ganho de performance. “Este novo projeto vai possibilitar a utilização em paineis externos, aqueles maiores, e trará oportunidade de ganho efetivo de massa, já que vamos trabalhar com espessuras menores. Reduzindo 01mm, que reduz mais de 1,5 kg”.


Única empresa a produzir todos os produtos provenientes do nióbio e que podem ser usados nas mais diversas aplicações, a Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CMM) desenvolve produtos inovadores para que diversos setores industriais possam apresentar melhor desempenho como na siderurgia, mobilidade, energia, aplicações estruturais e outras como medicina e aeronáutica. “Na indústria da mobilidade, o uso é essencial para componentes mais leves e resistentes, que é o foco do nosso projeto. Reafirmamos a nossa sintonia e crença de que juntos iremos mais longe”, afirmou Paulo Haddad, gerente de Desenvolvimento de Mercado Tecnologia da CBMM.


Thompson Junior Avila Reis, coordenador do Instituto SENAI de Inovação em Metalurgia e Ligas Especiais do CIT SENAI, contou que a expectativa é colocar esse novo produto, 100% brasileiro, no mercado. “O desafio será desenvolver um aço que possua propriedade elevada tanto na plasticidade quanto mecânica. Vamos consolidar uma tecnologia nacional, um produto nobre produzido no país, que fortalece todo o parque industrial brasileiro”, celebrou Reis.


Fonte e imagens: FIEMG

42 visualizações0 comentário