top of page

Metaverso industrial deve arrecadar R$ 2,8 trilhões até 2025

Um assunto bastante comentado na internet nos últimos tempos é o metaverso. A partir da declaração de Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, sobre a mudança de nome da empresa para Meta, o termo ganhou mais notoriedade e despertou a curiosidade das pessoas.

De acordo com Zuckerberg, o que impulsionou a mudança foi o desejo de explorar mais o mundo virtual, criando ambientes online compartilhados para ir além da conexão e aproximar mais as pessoas em um novo mundo. O que será possível através do metaverso.


Mas, se engana quem pensa que essa tecnologia ficará restrita às redes sociais e aos jogos virtuais. A expectativa é expandir para outros segmentos do entretenimento, como shows e esportes. Além disso, também irá beneficiar diferentes setores do mercado, como educação, economia e a indústria.



O que é o metaverso industrial?


Em linhas gerais, o metaverso é uma forma de criar “versões” do mundo real dentro do mundo virtual, utilizando dispositivos para simular e recriar situações vistas paralelamente.


A princípio pode parecer complexo, mas isso é o resultado de mudanças tecnológicas que já vinham acontecendo. É o caso do uso de computação para que seja possível analisar possibilidades e probabilidades na resolução de problemas.


No que se refere à fabricação, tecnologias como os gêmeos digitais na indústria ajudam a exemplificar que a modernidade já vem adentrando esses espaços com muita força.


Logo, o metaverso industrial é toda a gama de opções que passa a se formar em torno da utilização de realidade virtual. Seja para prever comportamentos ou testar produtos, otimizando recursos e esforços empregados na finalização e desenvolvimento deles.



Meta-fábrica e gêmeos digitais: qual a relação?


Os gêmeos digitais são a base do metaverso. Eles representam a simulação de algo físico no ambiente virtual.


Por meio dessa junção, é possível fazer análises minuciosas e projetar situações antes mesmo que elas aconteçam, assim, é possível saber quais ações podem ser tomadas. As organizações já utilizam esse recurso para criar tecnologias e para fazer testes.

É possível simular a cadeia de produção e o desempenho da indústria para obter indicadores. Mediante a coleta de dados dessa experiência, torna-se viável promover ajustes na fabricação, agindo proativamente no aperfeiçoamento.


Atualmente, grandes empresas como a Microsoft, Boeing, Unilever, Siemens Energy e Ericsson já estão usando os gêmeos digitais. Por exemplo, a Boeing usa a tecnologia para permitir que profissionais criem motores virtuais.


Outro exemplo é a Siemens Energy e Ericsson, que usam a plataforma Omniverse, da NVIDIA, para operar usinas de energia e fazer manutenções de modo a descobrir possíveis problemas antes deles acontecerem na vida real.


Gigantes da indústria, como a Hyundai Motor e a Unity recentemente anunciaram parceria para construir uma meta-fábrica, até final de 2022. O intuito é acelerar a inovação na fabricação inteligente.


Será um gêmeo digital de uma fábrica inteira, que suportará uma plataforma metaverso. Assim, será possível testar a manufatura virtualmente, otimizá-la e resolver problemas mesmo de forma remota.


As tecnologias gêmeas digitais irão progredir em implementações mais amplas e operações mais profundas em resposta à ascensão do metaverso e à crescente complexidade dos modelos de simulação digital usados para a construção de produtos. Portanto, tecnologias gêmeas digitais relevantes também começarão a surgir no mercado - TrendForce


Benefícios do metaverso para a indústria


Por fim, o conceito traz muitos benefícios às companhias no que tange a usar a tecnologia como aliada de processos e simulações importantes. Isso ajuda a entender o desempenho da mão de obra e dos produtos desenvolvidos.


Dentro das indústrias, o universo meta favorece um ambiente de economia digital, que representa uma grande inovação para o mundo. Veja as principais vantagens do metaverso industrial:

  • Monitoramento e análise de dados de máquinas e equipamentos, em modelos digitais;

  • Maior economia nas operações da produção, pois substitui equipamentos físicos para modelos 3D;

  • Redução de riscos de acidentes de trabalho;

  • Correção de falhas em equipamentos;

  • Testes e simulações para aplicar na vida real;

  • Antecipação de cenários, falhas, desempenho e resultados;

  • Otimização da produtividade;

  • Maior economia de energia.

Equipamentos necessários para a sua empresa implementar o metaverso


Se você ficou curioso e quer implemenatr o metaverso industrial em sua manufatura ou negócio, veja a seguir quais equipamentos você precisa. Algumas das ferramentas abaixo precisam estar no checklist das empresas para a implantação do metaverso no Brasil:


Antena de internet 5G


Para desfrutar desse mundo de vantagens que o metaverso irá possibilitar será necessário uma conexão com estrutura e alta velocidade para atender a todas as demandas. Diante desse cenário, a solução são as antenas 5G, por apresentarem baixa latência e alta velocidade.


Equipamento de qualidade


Outro ponto crucial para transformar em realidade a automatização de processos, a utilização de equipamentos 3D, a simulação de testes de produtos e outros recursos é o uso de uma máquina com um hardware potente e que suporte a renderização do ambiente virtual.



Acessórios de realidade virtual


Até o momento, itens como VR e headsets ainda não são muito populares, mas a tendência é que se tornem indispensáveis com a digitalização de diferentes produtos para melhorar a experiência do usuário.


Desse modo, acessórios assim vão se tornar algo básico para todos. Empresas de tecnologia já estudam formas de lançar produtos do tipo como complementares para acessar a nova realidade. A ideia é promover maior interação no ambiente virtual.


Conseguiu entender o que é metaverso industrial e como isso pode refletir positivamente em sua organização? Essa novidade vem mostrando grande utilidade para as manufaturas, que precisam estar sempre informadas sobre as tendências para se manterem competitivas!


Por: Rodrigo Portes

Diretor de Vendas | Diretor Comercial | Gerente Nacional de Vendas | Gerente de Vendas Sênior | Mentor | Palestrante | Autor | Transformação Digital | Indústria 4.0

Fonte: Linkedin Rodrigo Portes - BR4.0

Comments


160x600 whitepaper siemens.jpg
bottom of page