top of page
  • Foto do escritorBR40

Os maiores erros nos programas de capacitação em Tecnologia de grandes empresas

Se a gente passa a vida inteira falando em humanizar a tecnologia, por que na educação precisamos tratar as pessoas como robôs? Maioria dos cursos garante a parte técnica, inclusive na área de e-commerce, mas se esquece de treinar criatividade, visão empreendedora, habilidades de negócio e emocionais.


A falta de profissionais qualificados para preencher vagas no mercado de inovação e tecnologia é mundial. Tão desesperadora que, há algum tempo, uma fintech israelense divulgou suas vagas de forma inusitada. Estampou as oportunidades em diversos outdoors espalhados pela região de Tel Aviv – isso mesmo que você leu, o bom e velho outdoor. No Brasil, se nada for feito, a tendência é que a falta de gente qualificada exploda. De acordo com estimativas da McKinsey, o déficit dos profissionais de tecnologia deve ultrapassar um milhão de pessoas até 2030. Em um país que tem no desemprego um dos seus maiores dramas, mercados com excesso de vagas podem transmitir uma falsa ideia de tranquilidade.


Falsa porque a demora por encontrar um profissional qualificado atrasa investimentos e pode até impedir uma empresa de assinar novos contratos, resultando na perda de competitividade. Sem formar os times que precisa, não tem como realizar um planejamento adequado e corre-se o risco de sobrecarregar os times atuais, prejudicando a satisfação dos colaboradores.


Uma das principais soluções oferecidas pelas próprias startups e empresas de tecnologia tem sido a criação de cursos de capacitação para gente disposta a entrar no mercado. O que tenho observado, porém, é que as empresas poderiam obter um melhor proveito dos cursos que oferecem. Muitas criam uma formação exclusivamente técnica dentro da tecnologia. Em Programação, por exemplo, uma grade de aulas toda voltada à replicação de técnicas, códigos, modelos. O conteúdo é ensinado para o profissional repetir, aprender e repetir, copiar e colar. E esse é o primeiro erro.


Se a gente passa a vida inteira falando em humanizar a tecnologia, por que na educação precisamos tratar as pessoas como robôs? Na maioria desses cursos, não existe uma visão de atendimento ao cliente, de perceber o que o cliente de tecnologia deseja, de entender que o que fazemos é parte de uma estratégia maior, visão de negócios, empreendedorismo, criatividade. No caso do e-commerce, muitos alunos terminam um curso sem captar de que forma seu trabalho interfere em resultados de venda, recorrência de compra, ou até como ele pode crescer na carreira, trazer clientes para uma empresa.


A cultura digital é diferente. Prova todos os dias que o efeito de formar “peças da engrenagem” é pequeno, se comparado a capacitar pessoas para que se tornem as inventoras das peças – e da engrenagem inteira.


Outro ponto a que se deve estar atento ao montar um curso de capacitação em tecnologia e inovação na sua empresa é a oportunidade de convidar os próprios profissionais da organização para dar aulas. Você até pode completar o corpo docente com outros professores, de fora da companhia, mas se um profissional que já trabalha ali tiver o desejo de contribuir será um grande passo.


A participação nesse tipo de programa costuma motivar os times internos, que veem na transmissão do conhecimento um senso de propósito. Além disso, é uma forma de incorporar nas aulas a cultura corporativa, o que ajuda caso se queira contratar alunos do curso depois.


Mais um ponto que observo tem a ver com a escolha de cases apresentados nas aulas: eles são quase todos muito “perfeitos” e, no fim, o aluno é apresentado apenas ao que deu certo. Ao sair do curso, certamente vai se deparar com um desafio de tecnologia real, quando observará que escrever códigos não é acertar de primeira. Devido à pouca experiência de mercado, pode acabar frustrado, não saber como reagir, desistir. E aí logo passa a considerar a tecnologia um bicho-de-sete-cabeças. É a última coisa que queremos.


O primeiro passo para transformar o Brasil em um país de profissionais digitais, como já somos do futebol, é criar intimidade, proximidade com a inovação. Um código que você escreve pode dar problema e exigir que passe um dia inteiro tentando descobrir o que deu errado. Isso é o mais comum e o desenvolvedor, portanto, tem que aprender a lidar com seu desconhecimento, seus erros, sua capacidade de aprendizado e de persistir até acertar. Em resumo, as habilidades de um curso de inovação e tecnologia também precisam ser emocionais.


Quando você oferecer um curso de capacitação, não deve preparar o profissional apenas para trabalhar na sua empresa. Tem que preparar para o mundo. É isso que vai dar a medida do que a sua organização será capaz de conquistar.


Por Hugo Alvarenga, sócio-fundador da b8one.

Fonte e imagens: InforChannel

Comments


160x600 whitepaper siemens.jpg
bottom of page