• Brasil 4.0

Startup de Joinville produtora de tratores elétricos é destaque no Espaço da Indústria

Empresa que surgiu de um trabalho de faculdade quer se transformar na “tesla brasileira”, como referência em sua área; seus produtos são autônomos e apresentam menores custos de consumo e de manutenção preventiva, em comparação com equipamentos tradicionais


Foto: Reprodução

Florianópolis, 23.4.2021 - Startup voltada à fabricação de tratores elétricos, sediada em Joinville, a Yak ocupou o Espaço da Indústria na reunião on-line da diretoria da Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC), nesta sexta (23). “Queremos ser a Tesla brasileira”, afirma o designer industrial João Ozório, CEO e um dos fundadores da empresa, ao lado do engenheiro mecânico Alexandre Schalisnki. “Fazer elétrico não é apenas converter, mas pensar diferente”, acrescenta.


“Queremos desmistificar o uso de tração elétrica e trazê-la para os setores agrícola e industrial de forma limpa e economicamente viável”, destaca Ozório. Ele lembra que a origem da empresa foi uma pesquisa num trabalho de faculdade na Univille, feito em 2017. O objetivo do estudo era compreender porque ainda não se falava em tratores elétricos, apenas de automóveis ou motos. A ideia inicial de fornecer para a agricultura familiar se mostrou inviável, tendo em vista o elevado tempo de ociosidade. Por isso, a startup redirecionou seu foco à indústria e aeroportos. O sonho de atender a agricultura persiste e a Yak realiza estudos de viabilidade de produtos que beneficiem a empresa e os clientes.


Modelo Yak (reprodução)

O desenvolvimento dos equipamentos foca a economia, conectividade e criatividade. Todos os modelos são autônomos. “Mesmo que a legislação limite o uso de veículos autônomos, a tecnologia existe”, salientou João Ozório.


O CEO da Yak observou que os equipamentos de tração elétrica oferecem benefícios como a economia de custos de operação (consumo energético) e manutenção preventiva, que reduzem o pay back final. Além disso, Ozório lembra de benefícios intangíveis, como a redução de emissão de C02.


Por: Assessoria de Imprensa

Fonte e imaagens: Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina

54 visualizações0 comentário