• Brasil 4.0

Trabalho remoto: atualização da tecnologia promove produtividade e segurança

O cenário dos últimos anos revelou-se, sem dúvida, um desafio para as empresas, sobretudo no sentido de acelerar o processo de Transformação Digital dos seus negócios para garantir a sua continuidade operacional. O trabalho remoto, por exemplo, fez com que as empresas, mais do que nunca, avaliassem seus investimentos frente às novas necessidades do setor. Agora, tornou-se muito mais comum que as tarefas do dia a dia sejam desenvolvidas através de equipamentos domésticos, mas o trabalho remoto exige maior performance, medidas de segurança e aplicações mais refinadas.


Neste caso, as empresas precisam investir em equipamentos potentes, leves e seguros para esta nova era de mobilidade, onde todos procuram um dispositivo confiável, que amplifique a produtividade e que também atenda necessidades do usuário. No início deste ano, a Netskope, empresa focada em segurança na Nuvem, elencou dez previsões sobre o tema cibersegurança para este ano de 2021. Para especialistas, o investimento em segurança deve ser intensificado, principalmente devido ao aumento de tempo em que as pessoas passam conectadas, seja para trabalho ou se divertir, já que os funcionários também podem usar os equipamentos pra uso pessoal o que requer novas camadas de segurança.


Outro ponto de destaque é que o trabalho remoto não deve ser algo temporário. Ou seja, a continuidade do sistema, que pode ser dividido com o modelo híbrido, força as organizações a compreenderem que segurança não se resume apenas ao escritório. As companhias precisarão estar seguras de ponta a ponta, em cada dispositivo móvel conectado às redes, seja propriedade da empresa ou do empregado.


Neste sentido, quando falamos ainda de produtividade, que para não prejudicar o desenvolvimento deve permanecer ou crescer em investimentos em Transformação Digital, uma das exigências trazidas é a renovação constante dos equipamentos tecnológicos e

softwares das empresas. Ao considerarmos este momento de crise, onde o uso da tecnologia tem sido mais impulsionado, essa pressão fica ainda mais relevante, já que a demanda pelo digital é enorme, mas é difícil encontrar maneiras financeiramente sustentáveis para realizar grandes investimentos que possam suportá-la.


Entretanto, é interessante levar em consideração que esta renovação tecnológica traz outros benefícios que não englobam apenas a eficiência no campo digital propriamente dito. Ela é na verdade uma peça-chave para redução de custos, uma vez que equipamentos

antigos aumentam os custos de manutenção e atualização, não permitem a otimização de processos e tarefas, além de causarem períodos offline ou falhas de segurança.


Por exemplo, um processador de última geração pode permitir a execução rápida de várias tarefas simultaneamente e funcionar sem interrupção, mesmo ao utilizar programas mais exigentes, apresentando boa velocidade e desempenho. Economicamente equipamentos atualizados e otimizados para utilizar menos energia e com maior vida útil de bateria geram menos custos para as empresas e menos impacto para o meio ambiente. Do ponto de vista da sustentabilidade, é um equilíbrio bastante importante.


Para concluir, um estudo do CimTrak afirma que 60% das empresas encerram suas atividades dentro de seis meses após serem vítimas de uma violação de dados ou ataque cibernético. Ou seja, apenas um pequeno erro no sistema de segurança de uma empresa

pode gerar enormes perdas. Quando pensamos neste novo ambiente de trabalho, amplamente digitalizado, que cada vez mais contará com Inteligência Artificial e operações em Nuvem, isso infelizmente não pode ocorrer. As empresas, desde pequenos estabelecimentos até os grandes conglomerados, precisam unir segurança e eficiência o quanto antes, afinal, quem mais rápido adotar esse método, melhor poderá gerenciar e crescer o negócio.


Por Fabiano Schunck, Channel, sales manager na AMD.

Fonte e imagens: InforChannel

10 visualizações0 comentário
Simulação Engenharia 160x600.png